Castração de gatos – Mitos e Lendas

Gatinho

Quase nenhum outro tópico é discutido de forma tão controversa quanto a castração. Em detrimento dos animais, esta discussão é muito emocional e muitas vezes na ignorância dos fatos. Há muita confusão entre os donos de gatos e, infelizmente, muitos veterinários não estão atualizados com as pesquisas mais recentes. Ainda persiste a velha história de que um gato deve dar à luz antes de poder ser castrado, e muitas pessoas são da opinião de que os gatos deveriam “viver isso” e que o gato deveria se “divertir”…

Aqui se esquece que o acasalamento não é um caso romântico, mas apenas um impulso: o gato pressiona a gata contra o chão com suas garras, enquanto agarra seu pescoço com os dentes e acasala com ela por cerca de 10 segundos. Seu pénis é dotado de farpas que, ao serem retiradas, provocam na gata uma dor intensa e espasmódica, que desencadeia a ovulação. Por causa dessa dor, que faz a gata gritar bem alto, o gato será arranhado e mordido por ela após o acasalamento. O processo é geralmente repetido logo depois, mas nem sempre com o mesmo gato, pois uma gata pode ser acasalada por vários gatos.

Alguns donos de animais querem que a gata tenha gatinhos para que elas ou seus filhos possam experimentar o “milagre do nascimento”. Com exceção de todos os gatinhos que são realmente mantidos com a família, as crianças são ensinadas a serem irresponsáveis ​​em vez de respeitarem a criação, porque devido à superpopulação, a mensagem passada é que os gatos são imensos e não há um bom lar para todos!

PORQUÊ CASTRAR?

A pergunta diz tudo: as gatas também são castradas – não esterilizadas!

O fato é que as gatas no cio estão expostas a um grande stresse hormonal, que só pode ser eliminado por fertilização ou castração. Se o animal for mantido apenas no apartamento, isso resulta em um verdadeiro “envenenamento hormonal”, o calor permanente. O calor permanente é uma condição semelhante à ninfomania que pode durar vários meses. Se a gata não for tratada pelo veterinário, podem ocorrer graves distúrbios comportamentais e alterações patológicas do útero e ovários.

O cio permanente ocorre quando a gata não é acasalada ou não acasala com sucesso. A gata não ovula ciclicamente em intervalos regulares, mas somente após o acasalamento.
Se isso não acontecer ou se a ovulação não ocorrer, os folículos com os óvulos fertilizáveis ​​no ovário regridem e a gata estará pronta para acasalar novamente após algumas semanas. Se o acasalamento e a ovulação continuarem a falhar, os intervalos entre “cios” são cada vez mais curtos até que o gato não tenha mais descanso. É então permanente e, como resultado, surgem quistos ovarianos. Por outro lado, se você acasalar repetidamente a sua gata, não apenas reduzirá sua esperança de vida e provocará danos à saúde decorrentes do esforço e da deformação do útero, mas também aumentará o sofrimento já existente da gata.

Se o animal puder passear livremente, isso acarreta outros perigos: ele se mudará para muito longe de casa em busca de um parceiro sexual e permanecerá em movimento até encontrar um parceiro. Não só penetrará nos territórios de outros gatos e lutará contra eles, mas também cruzará muitas ruas. A maioria dos gatos atropelados é encontrada durante a época de acasalamento.

Os machos não castrados geralmente fogem no início da maturidade sexual, porque frequentemente cobrem muitos quilómetros em busca de uma fêmea e são repetidamente expulsos pelos potentes machos territoriais. As lutas costumam levar a infeções com FIV (SIDA de gato) ou FELV (leucemia felina, também chamada de leucose), bem como ferimentos graves, às vezes até fatais.
As gatas também correm o risco de serem infetadas com FIV pela mordida no pescoço do macho durante o acasalamento. Se uma gata é cruzada com mais de um macho, o risco de infeção aumenta com cada macho subsequente.

OS BENEFÍCIOS DA CASTRAÇÃO

Pelas razões acima, não há dúvida que castrar gatos e gatas faz sentido. Aqui estão as vantagens novamente:

  • Reduz os sintomas de calor
  • Reduz mau odor
  • Pouca necessidade de fugir do lar
  • Menos agressão contra co-específicos
  • Maior foco nas pessoas
  • Menor risco de doenças hormonais, como quistos, tumores mamários ou inflamação uterina em gatas ou cancro da próstata em gatos machos
  • Risco significativamente menor de infeção com FIV (SIDA de gato) ou FELV (leucose) devido à eliminação de mordidas de acasalamento e brigas
  • Maior expectativa de vida
  • Evita o nascimento de gatinhos indesejados para os quais você não consegue encontrar um lar

QUANDO DEVO CASTRAR MEU GATO?

Não existe um momento ideal, mas existe um ESPAÇO DE TEMPO ideal. Devido ao aumento da intensidade da luz, os gatos têm estado no cio por uma média de 4 a 5 meses por vários anos! Existem veterinários que não castram animais aos 4 ou 5 meses e afirmam que os gatos não se tornam sexualmente maduros até os 6-8 meses; de antemão nada poderia acontecer. Esta afirmação está simplesmente errada!
Do ponto de vista médico, também não há um único motivo para permitir que o animal fique no cio ou mesmo prenhe. O oposto é o caso: ambos são prejudiciais à saúde do seu gato.
Ao contrário dos rumores em contrário, não é necessário esperar o desenvolvimento físico completo antes que o animal possa ser castrado. Estudos de longo prazo mostraram que os hormônios não têm influência no crescimento dos gatos, e que o tamanho e o físico são exclusivamente genéticos.
Em princípio, pode-se dizer que é benéfico castrar o gato o mais cedo possível, pois quanto mais jovem for o animal, melhor aguentará a operação.

CASTRAÇÃO PRECOCE

Muito se pode dizer sobre a esterilização de um gato aos 3 ou 4 meses, o que é praticado em outros países há décadas sem problemas e está se tornando cada vez mais popular. O fato de alguns médicos veterinários ainda se recusarem a fazê-lo se deve principalmente à falta de experiência cirúrgica com animais dessa idade, em que a dose do anestésico deve ser ajustada com precisão ao peso corporal. Se for realizada por um veterinário qualificado, a chamada castração precoce tem muitas vantagens:

  • A operação é mais fácil porque as gônadas ficam expostas e ainda não recobertas por tecido adiposo, então tem …
  • … menos complicações / sangramento
  • O menor tempo de operação permite uma anestesia mais baixa e, portanto, menos stressante
  • O animal recupera mais rápido
  • O risco de cancro do útero é zero
  • Nem o gato nem a gata fogem instintivamente na ocorrência (despercebida) de maturidade / calor sexual
  • A sua gata não o surpreenderá com uma ninhada indesejada de gatinhos para os quais você precisa encontrar um bom lar aos 6 meses de idade.

Este artigo foi traduzido e divulgado com autorização de CAT-CARE.
Artigo original: KASTRATION – MYTHEN & LEGENDEN