Avançar para o conteúdo

Estágios de crescimento: Gatos Seniores

    Gato a dormir

    Com muito cuidado, amor e carinho, ajudamos e acompanhamos os nossos gatinhos a chegar a esta nova fase da sua vida. A fase sénior. Já passamos por muitas alegrias e talvez por alguns sustos, mas uma coisa é certa, recebemos muito amor e companheirismo de volta. Mas e agora? O que podemos mudar ou fazer mais para ajudar os nossos gatos seniores a viverem uma vida melhor e mais prolongada possível?

    O que muda no meu gato?

    A partir dos 10 anos de idade o seu gato já começa a dormir mais. Aquelas sestas que faz durante o dia ficam mais prolongadas, está menos ativo, menos ágil e brinca menos. Começa a ter dificuldade a subir aos arranhadores ou aos móveis. Começa a diminuir a frequência com que se lambe para se limpar e o peso pode alterar.

    Como o pode ajudar?

    Adapte a alimentação à idade do seu gato. Sabia que existe ração para gatos seniores? Pois é, esta alimentação é adaptada ao que eles necessitam como pedaços mais pequenos para terem mais facilidade em comer e com um valor nutritivo mais elevado. A alimentação húmida ajuda a hidratar o seu gato, se achar que ele pode estar a beber menos e a ficar desidratado.

    Esteja atento ao peso do seu gato. Se o seu gato começar a comer menos ou mais, então leve-o ao veterinário para ver se necessita de alguma ração mais adaptada a ele ou se por ventura terá alguma doença.

    O acompanhamento do veterinário é fundamental pois nesta fase os nossos fieis amigos são mais suscetíveis a doenças. Não se preocupe pois o seu veterinário irá avisá-lo com que frequência o deve levar. Basta estar atento a perdas de apetite, alteração do peso, dificuldade em saltar ou algo que ache que não é normal no seu gato e informar o seu veterinário de tal facto.

    Agora que o seu gato já não consegue saltar e subir tão bem para alguns sítios da sua casa, certifique-se que ele tem sítios acessíveis mais em baixo onde possa estar confortável, como uma cama, ou fornecer-lhe rampas de acesso para onde ele necessita de ir, como a caixa de areia, por exemplo. Em vez de um arranhador em altura, ter um arranhador em tapete.

    Na realidade temos de adaptar a nossa casa a ele e continuar a fazer com que ele faça exercício. Use o brinquedo preferido dele e de vez em quando brinque com ele. Isso ajuda-o a ficar um pouco mais ativo.

    Se acha que o seu gato está mais preguiçoso e já não se lambe com tanta regularidade como fazia antes, então pode sempre dar-lhe uma ajuda e escová-lo. Isto ajuda a livrar-se daquelas bolas de pelo solto e deixa-o com o pelo lisinho como ele gosta.

    Gato a aparar o pelo

    Ao que devemos estar atentos

    De agora em diante, devemos estar atentos para detetar quando algo está errado com o nosso gato. Qualquer mudança que encontre nele, pode fazer a diferença para um diagnóstico precoce. Para isso devemos estar alertas para as artrites que causam dores e dificuldade nos movimentos, a diabetes que faz com que o gato beba mais ou vá com mais regularidade à caixa de areia. Se o seu gato tem vómitos, diarreias e até doenças dentárias, então tem motivos para o levar ao veterinário.

    Hoje em dia os nossos gatos estão tão bem tratados e acompanhados que a sua esperança de vida é de 16 anos, o que corresponde a 80 anos em idade humana, desde que seja um gato que não tem qualquer contacto com o exterior da sua casa. Um gato que tenha contacto com o exterior é um gato mais livre, isso é verdade, mas a sua esperança de vida cai para 5 anos, que corresponde a 36 anos em idade humana, já que está mais exposto a atropelamentos, contrair doenças como a FIV e a FeLV e até ser atacado por cães ou outros gatos.

    Portanto, se o facto de estarmos a dar-lhe uma casa onde ele está seguro e é amado, já lhe estamos a prolongar a vida. E se com as idas ao veterinário e outros pequenos gestos como estes, o mantem perto de nós por muitos mais anos, porque não fazê-lo?

    Subscreva a nossa newsletter e receba as nossas novidades no seu email: